Sustentabilidade não é suficiente: precisamos pensar em regeneração

20/02/2018

Artigo 3 da série . Veja matérias 1, 2, 4, 5 e 6

 

A proposta inicial era evitar e prevenir estragos no planeta, ao contrário, tivemos cada vez mais poluição, perda de biodiversidade e mudanças climáticas. Entramos em um cenário insustentável e é para isso que a publicação no jornal inglês, The Guardian, chama a atenção, para uma nova atitude, a de regenerar os estragos causados em nosso ecossistema já que apenas “sustentá-los” não dá mais.

 

A matéria coloca em cheque a efetividade do desenvolvimento sustentável acordado na Cúpula da Terra Rio 1992, já que nos últimos 25 anos o desenvolvimento econômico e urbano mundial foi impulsionado pelo uso cada vez maior de carvão, petróleo e gás.

 

A reflexão é de um novo olhar para o desenvolvimento, que não pode ser à custa da saúde dos ecossistemas mundiais. Sua proteção e regeneração contínua devem ser um princípio orientador para ação humana e isso já vem sendo discutido em universidades e escolas de negócios. Por que não usar nossa expertise e potencial para tornar renovável nossas principais fontes de energia, por exemplo?

 

 

Já foi o tempo da conscientização, agora é hora de agir e mudar os nossos hábitos criando uma relação restaurativa ambiental e restauradora entre a humanidade e os ecossistemas. “Um dar e receber honesto entre humanos e a natureza”, como diz Herbert Girardet, autor da matéria. A reportagem traz bons exemplos de como é possível criar um metabolismo urbano circular, em vez de linear.

 

Acompanhe as nossas formações

 

As inscrições para o Liderança Sistêmica já estão abertas.

 

Liderança Sistêmica é um programa modular que se propõe a explorar os modelos organizacionais e sociais emergentes que vêm ao encontro das novas demandas e realidades nascentes. Ao longo dos módulos são apresentados e discutidos de forma dinâmica as novas abordagens empresariais, modelos de organização e evolução dos sistemas sociais e econômicos que vão redefinir a forma como vivemos e trabalhamos.

 

São 72 horas de vivência. Veja informações abaixo.

 

Maria Carolina

 

A graduação em jornalismo rendeu uma estreia e tanto para Carol, que depois de formada conseguiu um estágio na sucursal da TV Globo de Londres. De volta ao Brasil, fez uma longa carreira na editora Abril, onde teve a oportunidade de trabalhar em diversas revistas, como Veja, Claudia, Bons Fluidos, Men’s Health, Estilo, Nova, Boa Forma entre outras. Mas foi sua paixão por pessoas e pela África que a levou a fazer pós-graduação em Gestão Social e especialização no Continente Africano, além de mergulhar nesse mundo através de voluntariados e viagens nada convencionais, como uma temporada na Libéria, por exemplo. O espírito livre, aventureiro e curioso levou Carol a explorar o mundo, outra grande paixão - viagens e diferentes culturas. Depois de passar por uma multinacional cuidando de projetos sociais, no Brasil e em Dubai, ela optou por focar toda a experiência profissional e multicultural, sua energia, paixão pelo próximo e gratidão pela vida, em negócios que façam a diferença nas diversas questões socioambientais que enfrentamos mundo afora.

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Destaque

Reunião da rede Save Food para tratar do tema desperdício de alimentos

May 11, 2018

1/7
Please reload

Novidades recentes
Please reload

Notícias antigas